Bebidas alcoólicas podem enfraquecer ossos de pessoas com HIV, diz pesquisa

Para pessoas vivendo com HIV, qualquer nível de consumo de álcool está associado a níveis mais baixos de uma proteína envolvida na formação óssea, aumentando o risco de osteoporose. Isso é o que aponta um novo estudo conduzido por especialistas da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, e publicado no Alcoholism: Clinical and Experimental Research.

“Não encontramos uma quantidade de consumo de álcool que parecesse ‘segura’ para o metabolismo ósseo [dessas pessoas]”, disse Theresa W. Kim, principal autora do estudo, em comunicado. “À medida que envelhecemos, nossa capacidade de manter uma adequada formação óssea diminui. Nossas descobertas sugerem que, para as pessoas com HIV, o álcool pode tornar isso mais difícil.”

A baixa densidade óssea é comum entre as pessoas que vivem com HIV, mesmo as que fazem terapia com anti-retrovirais. “Nossa descoberta destaca uma circunstância sub-reconhecida na qual as pessoas com infecção pelo HIV geralmente se encontram: sua carga viral pode ser bem controlada por medicamentos eficazes e agora mais fáceis de tomar, enquanto outras condições de saúde e riscos que comumente co-ocorrem, como o uso de substâncias e outras condições médicas, são menos bem abordadas”, observou Richard Saitz, coautor do artigo.

A equipe utilizou os dados de 198 voluntários para realizar a pesquisa, focando em exames de sangue, mas também no comportamento reportado pelos participantes. Dessa forma os pesquisadores descobriram uma associação significativa entre a ingestão de álcool e os níveis de uma proteína conhecida como pró-peptídeo sérico do tipo 1 do N-terminal (P1NP), que é um marcador da formação óssea.

De acordo com eles, para cada bebida alcoólica ingerida por dia, em média, os níveis de P1NP de um participante caíram 1,09 ng/mL (o intervalo para níveis saudáveis ​​de P1NP é de 13,7 a 42,4 ng/mL). “Se eu estivesse aconselhando um paciente preocupado com sua saúde óssea, além de verificar a vitamina D e recomendar exercícios, o alertaria sobre o uso de álcool, já que a ingestão dessa substância é um fator de risco modificável e a osteoporose pode levar a fraturas e ao declínio funcional”, afirmou Kim.

 

Fonte: Agência de Noticias da Aids